Criptomoedas: o futuro das finanças digitais descentralizadas

Publicado em: 15/08/2022 11:08

Nos últimos anos, elas ganharam popularidade entre as pessoas – investidores ou não – e relevância no mercado das finanças. Estamos falando das criptomoedas, a nova forma de transação financeira que funciona sem o intermédio de um banco.

Elas abrangem um tipo específico de moeda digital e prometem mais autonomia, transparência e alto grau de privacidade e segurança para o usuário. Veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre criptomoedas e seus impactos no meio financeiro.

A união de tecnologias que deram certo

Além de existirem somente em ambiente digital, a principal característica das criptomoedas, que as diferencia de outras moedas digitais como NFTs e tokens, é a descentralização, uma vez que são criadas em uma rede blockchain a partir dos sistemas mais recentes de criptografia.

Mas o que isso quer dizer?

Significa que as informações, dados e transações ficam protegidas por diversas camadas de segurança online, tornando extremamente complexo qualquer tipo de tentativa de fraude.

A criptografia em si é um recurso milenar utilizado para proteger uma informação. No meio digital, ela é a técnica precursora do blockchain, uma tecnologia que visa a descentralização como medida de segurança.

Assim, as criptomoedas são a união de diferentes recursos tecnológicos que permitiram o desenvolvimento de moedas no meio digital, onde a segurança é um dos principais desafios.

Tipos de criptomoedas

Você já deve ter ouvido falar em Bitcoin, mas a verdade é que o mercado vai muito além disso e, atualmente, existem mais de 19 mil tipos de criptomoedas. O Brasil não fica para trás, com criptoativos próprios como Blood Donation Coin, MartexCoin, CriptoReal, Lunes, Nelore Coin e JEDALs.

Ainda em processo de consolidação, o mercado de cripto é muito volátil, mas existem criptomoedas mais estáveis que outras.

A plataforma de cotações CoinMarketCap é responsável por rastrear diariamente a capitalização de diferentes criptomoedas. Considerando o valor de mercado, atualmente, Bitcoin e Ethereum ocupam o topo dessa lista.

Desafios para os próximos anos

Em plena efervescência no mercado financeiro, ainda há um longo caminho para que as criptomoedas se tornem universalmente aceitas e acessíveis como moedas de troca.

Ao redor do mundo, cada vez mais empresas estão aceitando criptomoedas como pagamento. No Brasil, alguns movimentos contribuem para o futuro das finanças digitais descentralizadas, como a implementação do Open Banking pelo Banco Central, um sistema financeiro aberto que chegou para impulsionar transações peer-to-peer (P2P), ou seja, de pessoa para pessoa, sem a necessidade de intermediários como bancos e fintechs.

A verdade é que toda mudança envolve questões políticas e culturais, e com as criptomoedas não seria diferente. Adesão, segurança e intercambialidade também são obstáculos a serem enfrentados neste processo.

Continue acompanhando as redes da Theke para ficar por dentro das mais recentes inovações do mercado de meios de pagamentos.